terça-feira, 9 de junho de 2015

Escolhas, Erros e Bençãos

Nossa! Quantos anos faz? Bom, essa “ladainha” de que sumi não sei porquê, voltei porque blá blá blá é muito chato. Só lhes digo que estou precisando escrever. Estou sem inspiração para escrever em meus outros blogues, uns que tenho de crônicas, poesias e pensamentos, pois os únicos pensamentos que ando tendo nos ultimos anos são de insatisfação com minha vida, com o rumo que tomei me enfiando num covil com uma só cobra: meu marido – isso mesmo, casei pensando em ser feliz, mas quando eu disse sim aceitei também bebidas alcoólicas, brigas e noites sem dormir. Mas, assim como nada é só flores, não há mal que dure para sempre. Deus, que é tão maravilhoso e sábio, me surpreendeu de uma maneira tão mágica e sublime que toda vez que eu me desespero e começo a desmanchar na tristeza, basta eu passar a mão em meu ventre e lembrar que carrego comigo o ser mais... mais... não sei explicar a perfeição, meu grau de contentamento e felicidade numa só palavra. Sim! Estou grávida e sinto comigo que é o que eu precisava e Deus também sabe disso. Já estou para ganhar, faço 40 semanas dia 12/06 e muitíssimo ansiosa para ver o rostinho da minha menina, da minha Sarah.

Hoje vou contar um resumo dos ultimos dois anos. Dois anos de uma vida estranha, confusa, triste, desesperadora e portas fechadas. Nos ultimos dois anos desci no mais fundo poço e experimentei sensações que não se comparam com nada das dores de antes. Da solidão que senti mesmo estando com alguém do meu lado e da falência de minha alma que chorava lágrimas de sangue. Exagero? Não, estas palavras não expressam a dor que senti nesses dois anos, não expressam a intensidade da tristeza que experimentei e ainda vivo, mas hoje estou tão calejada que me sinto anestesiada da tristeza, ela já não me machuca tanto. Ainda estou na peleja, pois ainda estou casada. Sou a mulher de um alcoólatra, destruída, mas que está se revitalizando com muita luta e só um pouco de força de vontade. Ainda passo no psicólogo, hoje minhas sessões são mais sobre este caso, mas também trato o meu eu que é carente e confuso. Não sou mais eu, não sei mais lidar comigo, não sei mais entender a vida, mas estou aprendendo a entender e seguir um rumo. Minha filha me dá forças para melhorar, me dá segurança para seguir em frente na raça, pois ela precisa de mim e eu, como uma criança (re)aprendendo a viver, também preciso dela, até mesmo para esquecer de mim, do meu marido, e pensar só nela.

Ter um marido escravo do álcool não é fácil, ainda mais tendo tantos conflitos dentro de si. Não escolhi de imediato essa vida, pois até então não sabia, mas me permiti continuar nessa por muitos motivos que vou contar no decorrer dos meus escritos.

Por hoje é só, estou cansada, com sono e com dores – aquelas que se aproxima do parto. Quero muito que seja nessa virada de lua – se é que boto fé nisso (rs).

Boa noite e estou ouvindo “M83 – Wait (vejo que eu colocava música do momento, então...)


Beijos.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Meu interior.. #3


Esqueci que tenho esse Blogue, lembrei hoje que tive consulta com uma psicóloga, aliás, comecei hoje com a Dra. Helena, um amor de pessoa, mas... não sei.

Estou confusa, não é de hoje, e por mais que o tempo passe eu me sinto tão confusa quanto eu pensava estar confusa, por exemplo, no mês passado. Não estou conseguindo raciocinar direito, lembrar do que eu tenho que fazer, me organizar esta se tornando difícil.

A consulta hoje até que foi produtiva, pois consegui desenvolver um rumo na conversa. Por ser uma “avaliação”, pois é a primeira vez (coisas de convênios), onde eu teria que resumir o porque procurei um profissional em psicologia e porque passo com psiquiatra.

Pois bem, começo um “tratamento” a partir de semana que vem. Segundo a Dra., vai me ajudar a entender o porque de tudo que sinto e fazer cessar as dores. Meu cansaço excessivo irá se controlar, ou sumir, e poderei ter uma vida normal como todo mundo.. Vamos ver, né?!!

Amanhã eu conto quais são as dores pra você ai, anônimo querido.. J

Beijos.

*Música do momento no replay, replay, replay: Tool – No Quarter. 

terça-feira, 31 de julho de 2012

Meu interior.. #2

Fui trabalhar e meu emprego estava lá. Levei uma leve “bronca” por eu não ter avisado antes dos meus compromissos, mas tudo bem, coloquei um sorriso na cara e relevei por ter sido minha culpa.

Como eu passo em vários médicos, uma ou duas vezes por mês preciso faltar. Aliás, uma ou duas vezes por mês porque eu “me viro nos 30”, pois em meio a tratamentos e fisioterapias eu precisaria de uma semana por mês. Então, uma ou duas vezes por mês “engulo sapos”, avisando ou não avisando que preciso me ausentar..

Vai fazer um ano que trabalho num escritório de engenharia e agradeço a Deus por ser perto da minha casa e de segunda à sexta, caso contrário não teria passado do quinto mês. Por que? Porque lido com dores todos os dias e toda hora desde meus 12 anos por eu ter algumas irregularidades na coluna, que eu contarei no próximo post junto com o porque que sou depressiva.

Agradeço a Deus, também, por eu não lidar com pessoas o tempo todo. Pessoas me estressam e, por enquanto, não consigo tolerar desconhecidos, principalmente se eles me pedem informações, perguntam preços ou vem com conversinhas desinteressantes.

Não, eu não sou antissocial (Ou sou?!). Tenho amigos que amo muito, se eu pudesse passaríamos o dia inteiro juntos “tricotando” sobre tudo. E já me dei conta que muitos não tem culpa dessa minha “raiva”, então, sou sempre educada e sorrio mesmo estando sem vontade..

 Por fim, por hoje é só.. ;)

Musica do momento no replay, replay, replay: Continuo com Pixies – Where is my mind?

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Meu interior.. # 1


Nem percebi como passou tão rápido os dias, já faz 9 meses (nasceu, rs) que eu abri este Blog. Eu estava na dúvida se continuava por aqui ou se excluía, depois de muito pensar estou “de volta” (em termos, pois mal entrei).

No ano passado eu tinha alguns planos pra cá, mas hoje estou com outros – ou estou com os mesmos planos e esqueci que os outros são os mesmos. Enfim. Farei daqui meu diário proibido pessoal e serei sincera em todas as linhas.

Desde fevereiro eu não passava no psiquiatra, então voltei a estaca 0. A antiga psiquiatra era muito longe, três horas de viagem, e eu não estava/estou legal pra pegar busão (busão sim), nem metrô, nem taxi (pois era esse o trajeto). Meu estômago esta mais sensível que nos últimos tempos e a enxaqueca piorou, então, uma hora dentro de qualquer transporte me faz vomitar.

Hoje passei pela primeira vez com o Dr. Yvan. Ele disse pra eu voltar com o psicólogo pra conversar sobre meus dias e contar o resumo pra ele para que assim ele possa me avaliar e me controlar com os medicamentos.

Eu estava desde fevereiro sem psique, mas continuo, há três anos, com a Fluoxetina (40mg) e Amitriptilina (50mg). Como eu conseguia a medicação sem a psique? Com meu ortopedista que já me conhece há alguns anos. Eu pedia pra ele “quebrar essa” de me prescrever as receitas senão eu endoidava. E ele, bonzinho, me ajudou nesses tempos.. ^^

Post chato esse, né? É, eu também achei, mas fazer o que se a minha vida esta assim, tão chata quanto esse post.. E amanhã vai estar mais chato ainda, pois, com certeza, estarei nervosa com meu patrão me enchendo a paciência do porque eu não fui trabalhar depois do almoço.. #oremos.

Amanhã eu volto pra falar sobre trabalho, dor e saco cheio.

Beijos J

*Música do momento no replay, replay, replay: Pixies – Where is my mind? 

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Sobre o Blog..


Eu pensei em criar este Blog, e me encorajei a isso, como uma forma de expressar os meus sentimentos e compartilhar minha ”experiência” quanto à depressão e suas consequencias. Vamos dizer que será meu diário cujos relatos são meus sintomas e conflitos comigo mesma.

Eu devo ter muita história pra contar, pois cada dia eu tenho um sintoma diferente, um sentimento, uma reação a cada pensamento. Sou imprevisível, não sei quando vou estar bem ou disposta, por isso já não espero nada dos meus dias, mas, faço de tudo para não estacionar no tempo, não paro de buscar meus ideais, mesmo eu não sabendo o que estou fazendo.

Algo que eu progredi nesses últimos anos foi não fazer ninguém de muleta, não escoro, culpo ou espero alguma coisa de alguém. Eu me deixei levar, sem saber em que buraco estava me enfiando, pra chegar no estado em que me encontro e já aprendi que a única pessoa que pode me ajudar a fundo sou eu mesma.

Quem me olha, me conhece ou conversa comigo não percebe nada do que sinto. Não me deixo expressar o que há de diferente em mim, pois desta forma não crio mais culpas, aliás, essa também foi uma das coisas que aprendi.

Escrevendo este primeiro post obtive uma sensação de felicidade, acho que pela primeira vez vou ser fiel as minhas palavras e sentimentos. Às vezes é difícil explicar ao psiquiatra o que eu sinto, pois naquele momento eu já me esqueci do pior que senti anteriormente e já são outros sentimentos comigo ali, seja melhor ou pior.

Meus posts vão ser aleatórios entre me expressar e o que é na realidade a depressão no meu ver, que não é muito diferente dos blogs pessoais de outros com a mesma síndrome. Espero me ajudar e ajudar alguém que possa me ler daqui por diante.

Pra terminar, quero dizer que amo escrever, tenho outros blogs com textos de minha autoria, que já não são atualizados com tanta frequência por estes mesmos motivos citado acima. E não é todo dia que sei me colocar em palavras (odeio quando isso acontece), e me foge a identidade.

Às vezes, às vezes e às vezes, relativamente são meus dias..


*Redes Sociais são abertas ao público, só me adicionar. Porém, conversas sobre o assunto, caso houver, somente aqui no Blog ou por e-mail que esta disponível no meu perfil.

*Música do momento replay, replay e replay: Coldplay, “The Scientist”

*E obrigada pela visita. Bjs ♥